A dificuldade do primeiro emprego no mercado de TI

Trabalhar com computadores e com tecnologia de ponta é o sonho de qualquer profissional apaixonado por novidades. A cada dia que passa, é um novo aparelho eletrônico sendo lançado no mercado, um novo software utilitário e outras tantas novidades que fazem a gente gostar ainda mais da informática.
É uma área desafiadora, pois a necessidade de atualização é constante. A vontade de aprender e ultrapassar obstáculos deve ser a fonte alimentadora para as pessoas que almejam uma vaga que envolva diretamente a tecnologia.

A tecnologia da informação traz um leque bem diversificado das inúmeras possibilidades de se trabalhar com tecnologia. Pode-se atuar em atividades que envolva programação, manutenção e suporte, banco de dados, segurança da informação e outras inúmeras áreas.
Escolher uma profissão é uma etapa bem importante na vida para aqueles que não tiveram ainda nenhum contato com o mundo profissional. Nesse momento, tem que se levar em conta não só o salário da profissão, mas todo o esforço que será necessário para alcançar os seus objetivos.
No mercado de trabalho, existem diversas vagas em aberto esperando por bons profissionais. Entretanto, se você nunca trabalhou ou não tem nenhuma experiência de trabalho com informática, ficará muito difícil conquistar uma dessas oportunidades de emprego.
É justamente nesse ponto de vista que analiso as dificuldades de um profissional de TI conseguir uma vaga no mercado de trabalho quando se trata do primeiro emprego. A maioria das vagas pedem experiência comprovada, certificações e outros requisitos que impedem que os profissionais de TI que estão terminando a faculdade possam ter uma oportunidade de trabalho.
Algumas ações tentam ajudar para que qualquer pessoa possa ter uma relação de trabalho, principalmente quando se trata do primeiro emprego. Uma dessas ações se refere ao Programa Menor Aprendiz. Jovens com 16 anos podem trabalhar nas empresas e ter as mesmas garantias trabalhistas legais que um funcionário comum.
Entretanto, que jovem nessa idade estará terminando a faculdade no curso de tecnologia? Então esse programa não atende à necessidade daqueles que estão se formando em curso de tecnologia. Se as empresas pedem experiência em suas oportunidades de emprego, como atender essa demanda de pessoas que se formam na área de TI mas nunca trabalharam?
Durante o curso, até por questões de formação, é obrigatório que o aluno do curso de tecnologia faça um “estágio” para permitir que ele seja aprovado na faculdade. Entretanto, quando esse profissional termina o seu estágio, que tem uma duração entre um ou dois anos, não tem a certeza que será efetivado como funcionário na empresa onde estagiou.
E se não é efetivado, como conseguir o verdadeiro emprego se a experiência que as empresas cobram são muito além das atividades realizadas como estagiário? É uma situação difícil de se equilibrar. Diversas empresas ignoram o fato do estágio ter ocorrido. Para elas, estágio não é emprego. Então estagiar não significa aprender? Não teve experiência adquirida durante o estágio?
São perguntas que quase não se tem respostas. Se a cada dia o mercado fica mais acirrado quanto aos requisitos mínimos para contratar profissionais de TI, como alguém que nunca trabalhou com informática vai poder concorrer a uma dessas vagas?
E esse problema só tende a piorar na medida que a idade do profissional avança. Alguém que se forma na área de TI e que possua mais de 40 anos de idade, terá uma dificuldade maior que um recém-formado jovem na mesma área. Diversos programas de trainee nas empresas aceitam pessoas formadas com idades até 25 ou no máximo 30 anos (e olhe lá).
Contudo, realmente fica muito difícil conseguir um emprego se antes ninguém der oportunidade para os profissionais que não possuem nenhum tipo de experiência com informática.

0 comentários: